quinta-feira, 16 de abril de 2015

Medos antigos

Os tempos outros,
Os medos os mesmos,antigos...
Mal resolvidos, mal digeridos,
Eles todos em mim reunidos...

Medos estes que me absorvem;
Mesmo morando bem escondidos em mim,
Me consomem ...
E doem,doem...

sábado, 8 de setembro de 2012

Sensações

                Toda vez que eu me deixo levar,
                 Por essas sensações...
                 Vem a sensação de falta de ar,de desassossego...
                 Supressão de sentimentos,
                 Contentamento descontente!
               
                 Por querer ter controle,
                 Muitas vezes beiro ao descontrole,
                 Loucura de exigir só pra mim seus olhares,
                 Seus carinhos,Suas atenções,
                 E suas segundas intenções...

                 Me sufoca essa minha agonia,
                 Prenúncio de não sei o que,
                 De amor, de rancor,
                 Ou torpor,talvez  folia...

                 Sentimentos....Bom senso?
                 Sensação de desprezo...
                 Sentimentos a esmo!
                 Vergonha tamanha,tamanho amor...

                 Sensações que crescem,
                 Me entorpecem,
                 E me forçam  a aceitar,a me sujeitar,
                 Mas a me calar jamais!

                 Jamais calada,embora sufocada,
                 Forçada a reinventar formas de amor,
                 Formas de amar...
                 Sensações novas!
               
   
                 E muito embora as sensações sejam novas,
                 Os temores são os mesmos,os antigos,
                 Minha alma sempre em perigo,
                 Sempre em desavença comigo!
                 Perigosa trama,Sensações essas meu drama!

       
                 

domingo, 19 de fevereiro de 2012

Amores

     Gosto de amores...
      Que me fazem sofrer,
      Que me ludibriam os sentidos,
      Que me sorvem a alma,
       E que me consomem inteira...
 
       Fico exausta,
       Vou me consumindo,
        Aos poucos...
        Fico exasperada,
        Aos prantos...
        Recolhendo meus cacos,
        Nos cantos...
     
        Dessa forma,não sou eu,
        Sou muitas,tenho várias facetas;
        Eu me misturo,
        Faço-me mistério!
        Eu sumo,
        E assumo novas formas...

       Me forço a novas visões,
       Viabilizo novas possibilidades,
       Vivo num impasse,
       Em eterno descompasso...

   
      Incompreensível a mim,
      Insensível ao resto do mundo!
      Amores vãos,
      Vão pra nunca mais voltar
      Incontroláveis sempre,eternos nunca!



   
   

sábado, 12 de novembro de 2011

Cinzas

         O que eu faço com esse inferno,
         Que eu fabrico em mim?
         Que me queima por dentro,assim...
       

         Me converto em cinzas,
         Ficam cinzas minhas tintas...
         Sem cor,sem texturas,sem sabor
         Sem prazer,sem amor,ou mesmo,sem dor...
       
        Estou vazio,sem sentido algum
        E neste mesmo vazio,eu vago,inconstante...
        Minha dor essa é incessante!
       
        Dor de não sentir dor
        Quero ao menos poder fingir,que sinto
        Sentir,sentir...
   
       Quero ter liberdade pra fugir
       Desvendar coisas guardadas dentro de mim
       Me redescobrir...

       Se minha força agora é confusão,
       Meu grito de dor quer a amplidão,
       Se eu clamo agora por cor,
       É porque me cansei da escuridão!

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Inconstante

         Eu à beira de um ataque de nervos
         Ou de uma crise existencial?
         À deriva com meus sentimentos
         No mais nada mais banal
       
         Vontade inexplicável de sumir
          De se deixar levar
          De me permitir
          Ou apenas sonhar...
     
          Ir contra o curso natural das coisas
          Me sucumbir a velhos sentimentos
          E dar tempo ao tempo...

         O meu eu inconstante,
         Se cansou das velhas novidades,
         Clama sempre por mais do mesmo!
         É mais um daqueles meus rompantes...
   
         Se escrevo ou se grito,
         É para explicar a mim,que existo!
         E comigo existe a necessidade,
         De me explicar assim...E explico!

         Gosto das coisas com rótulos,
         Porque assim consigo tentar...
         Decifra-las em suas essências.
         Ou em seus invólucros...

       
         Eu,em gênero,número,grau e definições...
         Me implodindo e explodindo em emoções,
         Às vezes as mesmas,às vezes novas,
         Me descobrindo inconstante!
         Eu à beira de um ataque de nervos...
         

       
       
 

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

O susto

    O amor da minha vida
    Encontrei num susto
    Ela se assustou comigo
    E eu me assustei com a veracidade
    Daquele sentimento surgido ali naquele instante
    Rápido assim: Cheio de velocidade!
    Tão denso e ao mesmo tempo tão tenso

    Num susto
    Quase que como num surto
    Seus olhos me sugaram
    Nossas bocas se silenciaram
    Naquele momento terno
    Naquele segundo quase que eterno...
   
    Se misturaram em mim
    Carinho e confusão
    Só consegui agarrar-se ao momento
    Me prendi a ela com sofreguidão
   
    E eu que estava presa em minha solidão
    Despertei a tempo de não perder aquele instante
    Me explodi em rompantes
    Tão doce me parecia aquela inusitada situação
   
    Me assustei ao sentir meu coração pulsante novamente
    Senti a vida de forma inconsequente
    Vou novamente me prendendo a algo que ja sei o fim eminente
    Tudo acaba como começa: Num susto...